O dilema de Pazuello, o general que perdeu a guerra
   5 de maio de 2021   │     0:21  │  9

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, se escondeu na farda e no posto de general da ativa para, indevidamente, responder que não pode ir depor na CPI da Pandemia porque teve contato com duas pessoas que contraíram a doença e ele quer se preservar.

Estranho…

É estranho porque o ex-ministro na semana passada foi flagrado passeando num shopping em Manaus, sem máscara de proteção. Também é estranho porque a CPI convocou o ex-ministro e não o general, daí ninguém entendeu quando ele usou papel timbrado do  Exército para comunicar a impossibilidade de comparecer à audiência marcada para esta quarta-feira, 5.

Sugeriu depor de forma remota o que, acertadamente, o presidente da CPI, senador Omar Aziz, recusou. O entendimento que ficou é o de que Pazuello pretende ganhar tempo, na expectativa de que algo venha a acontecer capaz de livrá-lo da enrascada em que se meteu.

Deve estar fervilhando na cabeça o “pito” que levou do general Edson Pujol, este sim, um oficial general respeitado, quando lhe disse na cara: você ferrou o Exército, segundo comentários não desmentidos.

Sabe-se que Pazuello foi apenas marionete nas mãos do presidente Jair Bolsonaro, que é o único responsável pelos erros seguidos e até boicotes, que levaram à marca de mais de 400 mil mortes. O ex-ministro vive o dilema: contar a verdade é ferrar com o presidente; assumir sozinho a responsabilidade e ferra o Exército no que de mais nobre tem, que é a reputação, ou, então, mentir e correr o risco de ser preso – o que seria a desmoralização completa.

Tudo isso, porém, não foi por falta de aviso; um general da ativa assumindo uma função para a qual não tem nenhuma capacidade e, pior, substituindo dois ex-ministros médicos que deixaram o cargo porque se recusaram a aprovar a política negacionista de Bolsonaro.

Lamentável.

COMENTÁRIOS
9

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. NÃO ENTENDO NADA

    PODE FALTAR ASSENTO PARA MINISTRO EM REUNIÕES NO PALÁCIO DO PLANALTO, MAS PARA O VEREADOR FEDERAL CARLUXO A VAGA É SEMPRE GARANTIDA.

    Reply
  2. João Caldas

    Que se quebre um a um, mesmo assim não vai fazer as famílias que perderam seus entes queridos se esquecerem do abandono a que foram submetidos.

    Reply
  3. Kelmann

    Nelson Teich falou, tá falado. O responsável pelo genocídio foi o ex-chefe, impondo Hidroxicloroquina no lugar de vacina. Sr. Jair Bolsonaro, cadeia para você ainda é pouco.

    Reply
  4. Barbosa

    Que coisa boa a gente ver o senador Renan Calheiros lutando para se fazer justiça. Que Deus te ilumine, e que o senhor procure uma superintendência da Polícia Federal mais próxima, e relate tudo o que o senhor sabe, que o senhor abra o coração em bem do povo é conte todos os crimes de corrupção que o senhor praticou.

    Reply
  5. FORA BOLSONARO

    O GENOCÍDIO É UM DOS CRIMES MAIS BÁRBAROS. SEUS AUTORES DEVEM RESPONDER EM CORTES NACIONAIS E INTERNACIONAIS.

    Reply
  6. Djalma

    Isso é o que dá seguir ordens ás cegas e colocar sua honra e futuro em risco. Que tenha brio dessa vez e diga a verdade.

    Reply
  7. Itan

    Certo militares são tão verdadeiros como uma nota de três reais, e esse general é a representação disso. Deve ser do grupamento que fez aquela fraude escandalosa do leite condensado? Nosso Brasil tem de ser passado a limpo com urgência.

    Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *