Monthly Archives: maio 2017

Resumo: PF vai ouvir Temer; inquérito de Aécio tem novo relator; e assassino do cachorro quente mata dois
   31 de maio de 2017   │     20:49  │  29

por Aprigio Vilanova

Fachin autoriza depoimento

O ministro do Superior Tribunal Federal, Edson Fachin, rejeitou o pedido de suspensão do depoimento do presidente Michel Temer à Polícia Federal. A defesa pedia a suspensão até que a perícia dos áudios da delação de Joesley Batista fosse finalizada.

Fachin entendeu que é direito de qualquer investigado se recusar a responder as perguntas em um interrogatório, e por isso manteve o depoimento do presidente Temer. A Polícia Federal prepara as perguntas do interrogatório que será por escrito.

Assim que receber o documento com as perguntas do interrogatório, o presidente tem 24 horas para enviar as respostas.

Aécio fica com Marco Aurélio Mello

O STF realizou sorteio que escolheu o ministro, Marco Aurélio Mello, como novo relator do inquérito que investiga o senador afastado Aécio neves (PSDB-MG); a irmã, Andrea Neves; o primo, Frederico Pacheco de Medeiros; e Mendherson Souza lima; assessor do senador Zezé Perrela (PMDB-MG).

Marco Aurélio Mello enviou, para o plenário do STF, a decisão acerca do pedido de prisão do senador afastado, Aécio Neves, apresentado pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Cachorro quente

O vendedor de cachorro quente, Nilton Cesar Júnior, matou os delegados da Polícia Federal, Elias Escobar e Adriano Antônio Soares, na madrugada de hoje(31), em Florianópolis. O delegado Adriano Antônio Soares foi o responsável pela abertura da investigação da queda do avião que viajava Teori Zavascki, a época ministro relator da Lava Jato no STF.

Segundo a PC-SC os dois agentes após jantarem em um restaurante, pediram um taxi e se deslocaram para a casa noturna na região continental de Florianópolis. Na boate houve um desentendimento com Nilton Cesar e mais dois amigos.

A confusão se prolongou até o hospital para onde foram levados o delegado da PF, Adriano Antônio Soares, e Nilton Cesar. Inicialmente as informações diziam que Nilton Cesar, mesmo atingido, efetuou disparos contra o delegado ao chegar no hospital.

No final da tarde a PC-SC desmentiu a informação de tiros nas dependências do hospital. Segundo a PC-SC os disparos foram efetuados por um funcionário de Nilton Cesar, na parte externa do hospital e tinha como alvo o taxista que socorreu o delegado Adriano Antônio Soares.

Desemprego

O IBGE divulgou os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de domicilio (PNAD), o número de desempregados aumentou de 11,4 milhões para 14 milhões, em 12 meses. Se compararmos com o trimestre anterior (nov-dez- jan) foram mais 1,1 milhão de desempregados.

Desemprego II

O número de trabalhadores empregados também caiu,  se compararmos com o trimestre anterior (nov,dez,jan) foram cerca de 700 mil pessoas que perderam trabalho. Em um ano 1,4 milhão de postos fechados.

Desemprego III

E a queda se repete com os dados de trabalhadores com carteira assinada. Atualmente são 33,3 milhões de trabalhadores com carteira assinada, quase 600 mil a menos que o trimestre anterior (nov-dez-jan). Em um ano, 1,2 milhão a menos de trabalhadores com carteira assinada.

Eleições Diretas

A CCJ do Senado aprovou o texto que estabelece eleições diretas no caso de vacância dos cargos de presidente e vice até um ano antes de termino do mandato. O texto segue para o plenário do Senado que precisa aprovar em dois turno de votação, se aprovado a PEC segue para a Câmara dos Deputados.

Temer derrete

Jornal Valor Online divulgou pesquisa realizada pelo instituto Paraná Pesquisas e a situação do presidente Temer só piora. Na pesquisa foram entrevistadas duas mil pessoal, entre 25 e 29 de maio. É a primeira pesquisada divulgada após a delação da JBS e os protestos em Brasília.

90,6% dos entrevistados querem eleições diretas, 84% desaprovam o governo de Michel Temer, 74,8% avaliaram como ruim ou péssimo o governo. A aprovação do governo é de 6,5% na pesquisa realizada.

Cadê Osmar

O ex-ministro da Justiça, deputado federal pelo PMDB-PR, Osmar Serraglio, não apareceu na posse do novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, e também não foi visto na Câmara dos Deputados.

Será que Serraglio vai prolongar o quanto puder para reassumir o mandato e assim manter Rocha Loures com foro privilegiado enquanto Temer encontra uma saída para a sinuca?

Fachin autoriza depoimento de Temer à PF e inquérito será Temer e Rocha Loures
   30 de maio de 2017   │     15:36  │  25

Por Aprigio Vilanova

O deputado federal, Osmar Serraglio (PMDB-PR), não aceitou a indicação para o Ministério da Transparência. Em nota, agradeceu o tempo que ficou no Ministério da Justiça e disse que retornaria a Câmara dos Deputados.

Essa não era a posição que o governo esperava do deputado paranaense. A volta de Serraglio a Câmara, coloca o governo em situação ainda mais delicada, se é que isso ainda é possível. Temer vai ter que se posicionar em relação ao destino de Rodrigo Rocha Loures.

Com a decisão de Serraglio, Rocha Loures perde o foro por prerrogativa de função e assim tem a sua prisão cada dia mais próxima. Foi justamente o foro privilegiado que pesou na decisão do ministro do STF, Edson Fachin, ao negar os pedidos de prisão a Rocha Loures

Rocha Loures é deputado suplente de Osmar Serraglio, antes de assumir a cadeira na Câmara, ocupava o cargo de assessor especial da Presidência da República. Nas gravações dos diálogos entre Joesley e Temer, o presidente indica Rocha Loures para intermediar os interesses da JBS no governo.

A defesa de Rocha Loures não descarta a possibilidade de fechar um acordo de colaboração premiada. Era tanta a proximidade de Rocha Loures com Michel Temer que nas gravações ele chega a incluir eventos na agenda extraoficial do presidente.

O encontro de Joesley Batista e Michel Temer, no porão do Palácio do Jaburu, foi acertado com Rocha Loures.

Decisão de Fachin

O ministro de Supremo Tribunal Federal (STF), Edson fachin, decidiu pelo desmembramento do inquérito que investiga o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Michel Temer e Rocha Loures serão investigados juntos.

Fachin entendeu que as denúncias contra Aécio não pertencem ao âmbito da Lava Jato. Com a decisão, um novo relator será sorteado para o inquérito que investiga Aécio Neves, a irmã Andréa Neves e o primo Frederico Pacheco de Medeiros.

Fachin também autorizou a Polícia Federal (PF) colher o depoimento do presidente Temer, que será por escrito. O ministro de STF encaminhou o inquérito que investiga o presidente Temer, a PF vai elaborar as perguntas e após entregue, o presidente tem 24 horas para respondê-las.

TVBrasil e Facebook transmitirão os amistosos do Brasil contra Argentina e Austrália
   29 de maio de 2017   │     18:34  │  9

Por Aprigio Vilanova

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) fechou acordo com a TV Brasil para a transmissão dos dois próximos amistosos da seleção brasileira.

Os valores não foram divulgados e valem, por enquanto, para os amistosos contra a Argentina e Austrália, respectivamente 9 e 13 junho, em Melbourne.

A CBF entra de vez na produção dos amistosos da seleção brasileira, é uma tendência mundial os clubes e as ligas produzirem seus próprios eventos. Os acordos com publicidade serão negociados diretamente com a entidade.

Com isso a CBF assume o protagonismo nas negociações das transmissões que envolvem a seleção brasileira, os jogos serão transmitidos também pela CBF TV, pelo Facebook e por aplicativos de celular.

A intenção inicial da CBF era negociar em blocos (amistosos e eliminatórias de 2022) como não chegou a nenhum acordo, negociou apenas estes dois amistosos. Pelé será o comentarista.

EXCLUSIVO: Dia de cão em Brasília (Parte 1)
   27 de maio de 2017   │     20:45  │  36

por Aprigio Vilanova (textos, fotos e vídeos)

Manifestação reúne mais de cem mil pessoas em Brasília, a Esplanada dos Ministérios virou uma praça de guerra com a forte repressão das forças de segurança. Os protestos foram contra as reformas trabalhista e da previdência, pela saída do presidente Michel Temer (PMDB-SP) e pela convocação de eleições gerais.

Clique e assista a primeira parte dos protestos (configure para assistir em HD)

A manifestação, que pede a saída do presidente Michel Temer e a realização de eleições diretas para presidente, invadiu Brasília. A manifestação foi organizada pelas centrais sindicais, juntamente com os movimentos sociais e a sociedade civil.

Os manifestantes se concentraram na área externa do estádio Mané Garrincha e saíram em marcha ao Congresso Nacional, nos cálculos dos organizadores 80 mil pessoas, nos cálculos da Polícia Militar foram cerca de trinta e cinco mil manifestantes.

A operação de segurança montada para a manifestação, mobilizou um forte aparato militar para a Esplanada dos Ministérios. Helicópteros, batalhão de cavalaria, tropa com cães, batalhões especializados da Policia Militar.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, solicitou e o presidente Michel Temer assinou o decreto presidencial que autoriza o uso das Forças Armadas para garantia da Lei e da Ordem no Distrito Federal, o decreto vigora até o 31 deste mês.

Nas vias paralelas, a Esplanada dos Ministérios, caminhões com soldados do Exército aguardavam ordem para entrar em cena. Este expediente gerou muita revolta entre os parlamentares da oposição e os manifestantes.

Pelo menos um manifestante foi atingido com munição letal e as imagens do disparo, feito por um policial, já repercute nas redes sociais. O secretário de segurança do Distrito Federal (DF), Edval Novaes afirmou que vai abrir uma investigação interna para apurar o ocorrido.

Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas e precisaram de atendimento médico, não há dados se houve polícias feridos e nem de quantos manifestantes foram detidos.

Os organizadores prometem agendar uma nova greve geral.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Senador Renan: “O governo entregou o país a um presidiário”
   26 de maio de 2017   │     11:02  │  45

Brasília – A trapalhada do governo, no episódio da convocação das Forças Armadas para a garantia da ordem pública, que é constitucionalmente restrita às polícias, mostrou muito mais que a fragilidade do governo. Mostrou que o país está realmente à deriva.

A absurda decisão, como não poderia deixar de ser, repercutiu negativamente na própria base aliada do governo. E essa reação obrigou ao governo voltar atrás e revogar a decisão de transformar as Forças Armadas em milícias, antes do prazo de validade – que era até o dia 31 de maio.

A decisão continua repercutindo não só pela gravidade constitucional, mas porque escancarou a fragilidade do governo.

No mais contundente discurso feito até agora, o senador Renan Calheiros, líder do PMDB no Senado, criticou a decisão absurda. Mas, não é apenas por isso; é fundamentalmente pelo presidente Temer continuar refém do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba, mas continua dando as cartas no governo.

Por que?

Cunha não tem mais mandato e está preso acusado de vários crimes, sobre os quais não tem como negá-los diante das provas robustas. Mas, ele mantém um interlocutor na Câmara, na figura do deputado Carlos Marun (PMDB-RS), que o visita e recebe as ordens ditadas por Cunha.

E que Temer obedece incontinentemente, confirmando a delação do empresário Joesley Batista sobre a mesada paga aCunha e que Temer orientou-o a mantê-la com o já do conhecimento público conselho:

– “Tem que manter isso, viu?”

Depois de negar ter recomendado a renúncia de Temer o senador Renan foi contundente na definição do quadro atual do governo:

-“O governo entregou o país a um presidiário”.

O presidiário, obviamente, é Eduardo Cunha, que recebe a mesada paga pelo grupo JBS com o conhecimento de Temer e tem poder incomensurável no governo, nomeando ministros e o próprio líder do governo no Congresso Nacional.